COMENTÁRIO: O NHONHO, CONTINUA A RECLAMAR

março 27, 2019

A câmara Federal, também conhecida como Vila do Chaves, anda mesmo em dias de espetáculo nesse tempo de Reforma da Previdência. É tanta palhaçada que os espectadores já não suportam mais essas antigas repetições

Mas, em toda essa confusão, um ator de peso tem se destacado devido ao seu calundu exibido na imprensa. Rodrigo Maia, presidente da casa, também conhecido como Nhonho, personagem do chaves, que só sabe dizer “olha ele, olha ele”, tem dito ao Brasil que Bolsonaro não sabe articular e, com isso, tem emperrado a tal Reforma. A articulação que o Nhonho pede o governo “o Brasil Decente” já rejeitou desde outubro passado, quando mudou metade da Câmara feito que Rodrigo, parece não perceber.

Rodrigo Maia, que passou maus bocados nesta semana, depois que seu sogro Moreira Franco foi preso, parece não perceber que está fazendo um papel ridículo no episódio da Reforma. Rodrigo age como se fosse o chefe dos articuladores, o que ele não deve fazer, porque é o presidente da casa e precisa assumir a neutralidade que o ofício lhe exige.

Existem várias correntes de pensamento em relação à Reforma que precisam ser respeitadas, e o presidente Nhonho age como uma criança de quem lhe tiraram o pirulito.

Amigos ouvintes e leitores, o Brasil já sabe que a articulação que Rodrigo Maia tanto pede do governo não é outra senão a prática da “velha política”. Maia sente saudades de cargos, verbas e privilégios que parece lhe faltar no novo Brasil. O que se vê na sociedade que agora assiste a mais esse episódio da Vila do Chaves (a Câmara) é uma torcida para que o governo não abra mão do que apregoou durante a sua campanha eleitoral. Mas, analisando o Brasil com todo esse cenário já conhecido da Vila, com Dona Florinda no STF, Seu Barriga na presidência do Senado e o Nhonho na Câmara, ainda vamos ter que esperar muito para que essa programação chamada Brasil seja renovada a contento.

No Comments

Deixe uma resposta

avatar

Publish

Antes de apontar alguém, não se esqueça dos seus poréns
março 25, 2019
A era da hipersensibilidade emocional
março 31, 2019