Às vezes a solução está Justamente em desistir

10 de dezembro de 2019

Desistir, para muitas pessoas um verbo difícil de ser conjugado e elaborado. A maioria de nós possuímos bastante dificuldade só em pensar no assunto. Principalmente, quando a questão envolve desistir de alguém ou coisas que gostamos.

Mas, será que ainda vale a pena lutar por este relacionamento? E no tocante a carreira profissional? Insistir no que faço, ou mudar de profissão? Porque isso nos aflige tanto em determinado momento da vida?

Cresci ouvindo frases como: nunca desista dos seus sonhos, lutar sempre, desistir jamais, entre outras falácias, dessa versão rasteira da autoajuda que só atrapalha os calouros no curso da vida. Por isso, o ato de desistir é quase sempre pregado como algo ruim e que devemos evitar. Quanto engano!

Ao passar pela estrada da vida, vi pessoas aprisionadas em relacionamentos, nos quais era visível a angústia em seus semblantes. Pessoas que só conseguiram sorrir, depois de desistirem dos tais. Não farei aqui, nenhuma apologia ao divórcio, porque isso foge dos princípios que aprendi, contudo sou testemunha ocular de alguns deles, que sem sombra de dúvida, foi uma libertação para algum dos envolvidos.

Não obstante essa realidade, acompanhei pessoas que desistiram de suas profissões, que lhes acumulavam muito trabalho e pouco resultado, e apostarem em outras formas de ganho, até encontrarem realização e contentamento. Tudo porque tiveram a coragem de desistir do que lhes afligiam.

Ao contrário do que lhes disseram, algumas vezes, o direito de desistir pode ser uma oportunidade incrível que você tem em mãos. Mas, é preciso saber analisar contextos, interpretar a própria história, fazer a leitura correta dos resultados de tempo ganho e perdido com aquele ou aquilo que lhe ocupa.

E não tem jeito, chega a hora em que precisamos aferir na balança o peso que estamos carregando e olhar no termômetro dos dias qual temperatura estamos enfrentando para manter o que mantemos. Sentir medo e exalar insegurança é bastante normal para quem está apegado ao seu arrimo. Contudo, se o seu caso pede desistência, é melhor tentar de novo, que morrer insatisfeito só pelo medo de mudar.

No Comments

Deixe uma resposta

avatar

Publish

Qual é mesmo a sua importância?
15 de outubro de 2019
Um recado a Fábio Porchat, Gregório Duvivier e demais envolvidos
19 de dezembro de 2019